O presidente Carlos Pereira foi o convidado do primeiro programa da temporada 2018/2019 'Marítimo na TSF', agora também na Marítimo TV. Na entrevista conduzida por Élvio Faria, Carlos Pereira começou por apelar "à presença da massa associativa" no Estádio para apoiar a equipa principal de futebol, embora lamentando "as forças de bloqueio, nomeadamente o IPDJ" que estão "a retirar a beleza do espetáculo nos estádios".
À frente do clube há 21 anos, a que se juntam mais alguns noutras funções, Carlos Pereira garante não se sentir "cansaço". "Não sei viver no dia a dia sem a adrenalina do trabalho, tanto no Marítimo como nas minhas empresas onde sou profissional e não no Marítimo embora na instituição o faça como se de um profissional se tratasse", justifica. No entanto, o líder verde-rubro não nega que "às vezes fico aborrecido com algumas críticas injustas", alertando os adeptos para não se deixarem levar "por alguns infiltrados". Para além do mais, lembra, para "fazer gastos sem saber onde está o retorno, desequilíbrio na despesa e não equilíbrio na receita... não contem comigo". Ainda nesta linha, Carlos Pereira diz ter "a porta sempre aberta para quem quiser contribuir com projetos válidos".

No plano do futebol, confirmando haver "sondagens por Joel, Rodrigo Pinho e Correa", o presidente manifesta o desejo de "todos manter", mostrando-se "satisfeito" pela opção tomada por Danny. "Agradeço a disponibilidade dele e da família para regressarem sem pensar na parte financeira, demonstrando todo o seu amor à instituição", aplaude.

Carlos Pereira, mais à frente, notou que o Marítimo "tem um projeto único em Portugal" com os juniores, Marítimo B, Sub 23 e equipa principal, "um projeto que sempre defendi para a Região Autónoma da Madeira que não o quis". "O Marítimo foi obrigado a fazê-lo e hoje dou os parabéns por assim ter acontecido", comenta. 

Acreditando que ao longo desta temporada o Estádio do Marítimo será concluído - "Assim as entidades públicas, como parece, queiram trabalhar à velocidade que nós fazemos" -, Carlos Pereira deseja recuperar "o maracananzinho" [sintético a sul do Estádio da Imaculada Coneição] e considera não ser "uma coisa megalónoma" falar do surgimento de uma Academia. "Fazer crescimento do património" é, pois, uma ideia sempre presente.

O líder verde-rubro nesta entrevista ao Marítimo na TSF agradeceu "os apoios recebidos, muito importantes, do Santander, do Governo Regional, da Coral" e "de muitos outros patrocinadores", elogiando, ainda, a colaboração, na utilização dos respetivos campos, "com contrapartidas, claro, da AD Machico, AD Camacha, Andorinha, 1º de Maio e, agora também, Ribeira Brava".

Para ouvir na Marítimo TV.

Club Sport Marítimo | Todos os direitos reservados | Administração